Gravidez molar: o que é, quais sintomas e tratamento?

Gestação rara precisa ser devidamente tratada para não evoluir para um quadro de câncer

Mão de uma mulher passando creme na barriga de grávida
Internet

A gravidez em mola ou mola hidatiforme é uma complicação rara na gestação que pode ser parcial ou completa. Sendo que no primeiro caso, a mola se desenvolve quando há a fertilização de dois espermatozoides em um óvulo. E no segundo quando acontece a fecundação de dois espermatozoides em um óvulo sem DNA e sem núcleo.

As alterações resultam num embaralhamento de células no útero e causam a má formação da placenta e do feto. Sendo assim, logo não há a possibilidade dele se desenvolver.

Sintomas e diagnóstico

Atraso menstrual e enjoos matinais são alguns dos sintomas da gravidez molar, sendo eles também comuns a uma mola hidatiforme. Contudo, a partir da 6ª semana, outros indícios apontam que a gravidez não está fluindo normalmente, sendo o sangramento intenso o maior indicativo. Além destes, também são sinais da doença, o aumento do útero e dores abdominais e nas costas.

Para diagnosticar a gravidez molar, a mulher precisa ser submetida ao exame de sangue Beta HCG e se este apresentar resultados muito altos, pode ser um indicativo da gestação em mola. O ultrassom transvaginal também ajuda a indicar a má-formação da placenta.

Mão de médico apontando para resultado de ultrassom, indicando uma gestação molar
O ultrassom pode indicar uma possível gestação molar

Tratamento e prevenção

O tratamento da gravidez molar é feito por remoção das células anormais, seja por curetagem ou por meio de remédios abortivos . Os restos fetais ainda podem ser removidos por aspiração uterina. Sendo este, um procedimento seguro e rápido de esvaziamento do útero para tratamento de aborto incompleto.

E mulheres, fiquem tranquilas, depois que todos os restos das células embrionárias forem eliminados, é possível que você engravide novamente. No entanto, alguns especialistas recomendam esperar no mínimo, seis meses após o hormônio ter se estabilizado para engravidar normalmente.

Mãos de biomédico colhendo sangue do braço de uma mulher
Quando há o diagnóstico da gravidez molar, é necessário que a mulher se submeta ao exame Beta HCG periodicamente.

Quanto a prevenção, infelizmente não é possível prevenir o desenvolvimento da gravidez molar, uma vez que se trata de alteração genética. E as chances de se desenvolver  mais de uma gravidez molar são muito baixas.

Câncer?

Quando o aborto ou a curetagem não são capazes de eliminar todos os restos das células embrionárias, a gravidez molar pode evoluir para um quadro de câncer denominado neoplasia trofoblástica gestacional.

Caso este tumor seja maligno, a mulher deverá fazer um tratamento a base de quimioterapia. E em alguns casos, ela deverá ser submetida a uma cirurgia para remoção uterina ou das trompas se elas forem afetadas.

Gostou do nosso conteúdo? Então, compartilhe nas redes sociais para que outras mamães e futuras mamães tenham acesso a ele. Ah, e não deixe de acompanhar nosso trabalho.

0 Gostei
0 Não gostei

Um comentário

  1. que legal

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *