Veja como criar uma saudável relação entre mãe e filho

chá_de_gravidez_relação_entre_mãe_e_filho

Uma boa relação entre a mãe e filho é capaz de melhorar o desenvolvimento da criança

A relação entre mãe e filho tem a capacidade de ser extremamente forte. Além disso, ela pode fazer muita diferença no crescimento dos pequenos. Quando se sentem acolhidos desde bebês, as crianças têm suas potencialidades estimuladas e não desenvolvem as chamadas “feridas emocionais”, que afetam sua segurança, autoestima e independência.

Apesar de a cultura popular dizer que esse vínculo é instantâneo, nem sempre isso acontece. Assim, algumas mamães se sentem culpadas e acham que não fazem o suficiente para ter um bom relacionamento com o filho.

No entanto, é importante lembrar que o bebê é uma nova pessoa e, assim como com qualquer outra, todos precisam de tempo para se acostumar com ele. Isso acontece até mesmo com as mães, que necessitam de um período para se habituar com o filho, com as necessidades dele e com o sentimento de amor que surge.

Entretanto, não serão atividades complexas que farão a relação entre mãe e filho crescer. Atos básicos do cotidiano já são capazes de ajudar. Por isso, para amenizar a angústia das mamães sobre esse assunto, separamos algumas dicas de como desenvolver um vínculo com o novo membro da família.

A relação entre mãe e filho ainda na gravidez

Sim, ainda com o bebê na barriga já é possível construir um vínculo com ele. O meio para isso é simples: conversar!

Estudos indicam que a partir da 12ª semana de gestação o feto já ouve alguns sons. Já na 21ª semana, o bebê é capaz de reconhecer a voz materna.

Assim, converse, conte histórias, cante canções de ninar e coloque outras músicas para tocar. O pequeno irá reconhecer esses estímulos quando nascer.

A relação entre mãe e filho deve ser construída desde a gravidez

Construa tradições familiares

Quando o bebê nascer, continue com alguns dos hábitos que mantinha quando ele ainda estava na barriga. Dessa forma, converse com ele quando for trocá-lo e cante enquanto o amamenta.

Mais do que isso, crie uma rotina. Isso transmite segurança aos pequenos. Antes de dormir, por exemplo, dê um banho, faça uma massagem e o acalme em seu colo. Dessa forma, ele já associará aquele momento com o sono.

Coloque o amor em prática

Essa dica se resume em oferecer atenção ao bebê. Afinal, a relação entre mãe e filho se construirá quando um for empático com o outro.

Por isso, tente ver o mundo com os olhos do seu pequeno. Coisas que são normais para você, podem ser assustadoras para ele e isso justifica todo o choro. Já outras situações banais para os adultos, são incríveis para quem acabou de chegar ao mundo.

Dessa maneira, você conseguirá entender os comportamentos do bebê e lidar melhor com eles.

Tempo de qualidade é necessário para construir a relação entre mãe e filho

Essa é a orientação que pode causar muitas angústias nas mamães. Afinal, na correria do dia a dia, tempo é o que não sobra.

No entanto, não é sobre a quantidade de tempo e, sim, pela qualidade dele. Assim, separe um momento em que toda a atenção esteja voltada para a criança. Será um período sem trabalho, sem redes sociais e sem outras preocupações.

Apenas brinque, converse e observe o quanto seu filho irá apreciar esses momentos.

Tempo de qualidade é essencial para a relação entre mãe e filho

Atenção aos pequenos detalhes

Com um tempo exclusivo para o pequeno, será possível perceber e entender os detalhes do comportamento dele.

Dessa forma, as ações dele quando está com sono, fome ou irritado com algo serão claras para a mamães. Com isso, resolver os pequenos problemas deles (que são amedrontadores para eles) se tornará mais fácil.

Segurança é essencial para o relacionamento entre mãe e filho

A sensação de segurança da criança quando está com a mãe é essencial para a relação entre os dois. No entanto, algumas atitudes instantâneas podem atrapalhar isso.

Um exemplo, durante birras ou outras situações estressantes, a mãe deve manter a calma e entender que aquilo só acontece porque a criança ainda não possui inteligência emocional suficiente. Dessa maneira, o ideal é conversar com o pequeno e fazê-lo entender o que sente.

Além disso, superproteção não é sinônimo de segurança. Reações alarmistas ou reagir como se todas as situações fossem perigosas só desenvolverá ansiedade, medo e dependência nas crianças.

Lembre-se que a relação entre mãe e filho não é automática

Como dito anteriormente, essa relação demanda tempo para ser construída. A base para desenvolvê-la está nas atitudes diárias e nos exemplos que a mãe passará ao filho. Por isso, lembre-se dos cinco pilares fundamentais: confiança, respeito mútuo, interações diárias, comunicação e disciplina.

Conte aqui o que achou do nosso conteúdo! Também compartilhe com as amigas mamães e nos siga nas redes sociais para ficar por dentro do mundo da maternidade.

1 Gostei
0 Não gostei

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *