Mastite: entenda o que é e como tratar

chá_de_gravidez_mastite_o_que_é

A mastite é um dos problemas mais comuns da amamentação

A amamentação é de grande importância para a saúde do bebê e também para fortalecer os vínculos entre mãe e filho. Contudo, alguns problemas podem surgir nessa fase. O mais comum deles é a mastite, uma inflamação nas glândulas mamárias.

Essa condição costuma surgir cerca de duas a três semanas após o parto. Segundo pesquisa do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos, uma em cada dez mulheres sofrerá com a doença.

Porém, a mastite pode ser tratada e, assim, não prejudicar a amamentação. Entretanto, primeiro é necessário saber o que causa esse problema.

Causas da mastite

O principal fator que gera a mastite é a pega incorreta do bebê. Isto é, a boca da criança não se encaixa corretamente no seio da mãe. Enquanto a forma certa é o bebê abocanhar toda a auréola, a errada é o bebê sugar apenas o mamilo.

Assim, surgem feridas no seios, que são a porta de entrada para as bactérias que irão causar a infecção. 

Sintomas

O maior sintoma da mastite é a dor. Ela também é acompanhada por vermelhidão, inchaço e sensação de calor no seio.

Além disso, algumas mulheres podem ter febre, náuseas, dor de cabeça, calafrios e um mal-estar geral. 

Mastite é causada pela pega incorreta no seio
A pega incorreta do bebê no seio é uma das causas da mastite

Como evitar

A melhor maneira de evitar a doença é fazer com que o bebê tenha a pega correta no seio. A própria mãe pode tentar isso, mas caso não consiga, é importante buscar ajuda do médico, de uma consultora de amamentação e/ou do banco de leite da cidade.

Banner BlogPowered by Rock Convert

Ademais, é fundamental manter os seios limpos. Pode-se passar um tecido umedecido antes de amamentar e lembrar de não tocar as mamas com as mãos sujas. É preciso ainda ter cuidado com os absorventes de seios, que são usados para evitar que o leite vaze na roupa. Ao permanecer muito tempo com eles, há maior chance de causar um abafamento da região e ajudar na proliferação das bactérias. 

Outra forma de evitar a mastite é não deixar as mamas muito cheias de leite. Por isso, faça com que o bebê esvazie uma antes de passá-lo para outra. Caso a criança não mame tudo, faça a ordenha (retirada do leite). Ela pode ser feita de forma manual ou com as bombinhas disponíveis no mercado. 

Outra dica é amamentar em diferentes posições, pois assim o leite será sugado de todos os segmentos da mama. Por fim, também use sutiãs específicos para amamentação. Eles irão dar a sustentação necessária ao seio sem causar pressões prejudiciais. 

Como tratar

Uma das formas de tratar a mastite é amamentando, assim o excesso de leite irá sair. Contudo, alguns bebês rejeitam o seio que está inflamado, pois o gosto do leite pode estar diferente. Nesses casos, o ideal é fazer a ordenha. 

Mais do que isso, é essencial fazer compressas quentes na mama e massagear com movimentos circulares.Também é importante descansar entre as mamadas e se hidratar com, no mínimo, dois litros diários de água. 

Quando a mastite se agrava

Apesar de dolorosa, a mastite é um problema que possui um tratamento simples. Porém, se não tratada a tempo, ela pode se agravar. Isso acontece quando se formam bolsas de pus dentro do seio.

Quando isso ocorre, pode ser necessário realizar uma drenagem cirúrgica desses fluídos. Caso contrário, há o risco de desenvolver uma infecção generalizada.

Por isso, é importante avisar ao médico cada sintoma que surgir durante a amamentação. Os especialista saberá avaliar o caso e orientar sobre o melhor tratamento.

Enfim, nos diga qual é a sua dúvida sobre mastite. Também deixe nos comentários a sua opinião sobre o nosso conteúdo. 

1 Gostei
0 Não gostei

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *