Saiba o que é e as causas da perda de líquido amniótico

Líquido amniótico

O líquido amniótico tem funções importantes durante a gravidez e a perda dele requer avaliação médica

A perda de líquido amniótico, também chamada de oligoidrâmnio, acomete cerca de 8% das grávidas. Apesar de não ser tão incomum, é preciso ficar atenta com essa situação. Isso porque esse líquido tem importantes funções para o desenvolvimento do bebê.

Primeiro, ele atua como um “amortecedor” contra choques e movimentos bruscos no útero. Além disso, mantém a temperatura dentro do órgão e evita que o cordão umbilical seja comprimido. O líquido amniótico também atua na formação do sistema digestivo e respiratório do feto. 

Como identificar a perda do líquido amniótico?

Um dos problemas da perda de líquido amniótico é que ela pode ser confundida com vazamento involuntário de urina ou excesso de lubrificação íntima.

Portanto, é importante entender as características de cada uma dessas situações:

Vazamento de urina: o líquido é amarelado e com cheiro;

Lubrificação íntima: sem cheiro e aparência de clara de ovo;

Perda de líquido amniótico: é transparente e sem cheiro. Nessa condição, a calcinha fica molhada mais de uma vez ao dia e também pode ocorrer a diminuição dos movimentos do bebê. 

Perda de líquido amniótico em mulheres hipertensas
Mulheres hipertensas têm mais chances de sofrerem com a perda de líquido amniótico

As causas

Existem diversas causas para a perda de líquido amniótico. A primeira delas é a ruptura parcial da bolsa, que é mais frequente no final da gravidez e, normalmente, o “furo” se fecha sozinho com repouso e hidratação.

Contudo, o motivo também pode estar em problemas na placenta, que não leva sangue e nutrientes suficientes para o feto. Assim, ele não produz tanta urina e não há muito líquido.

Possíveis anomalias no bebê são outras causas, como nos rins que não se desenvolveram corretamente. Já a síndrome de transfusão feto-fetal ocorre em gestações de gêmeos idênticos, quando um recebe mais nutrientes do que o outro, fazendo com que um dos fetos tenha menos líquido amniótico.

Outros fatores de risco estão nas grávidas que sofrem com pressão alta e que ingerem remédios para isso, diabetes e lúpus. No entanto, a perda do líquido pode acontecer com qualquer grávida. 

Quando procurar ajuda médica

A perda de líquido amniótico no primeiro e segundo trimestre de gravidez é mais grave e é necessário procurar o médico imediatamente. Nesses casos, o especialista irá investigar se há alguma infecção que esteja associada ao problema ou se é o caso de trabalho de parto extremamente prematuro.

Em situações mais simples, além dos exames, o médico irá recomendar repouso e maior ingestão de água.

Já no terceiro trimestre de gestação, o quadro é menos preocupante, mas também precisa de avaliação. Caso a perda de líquido amniótico aconteça após a 36ª semana, há chances de ser o começo do parto.

Entretanto, em qualquer situação, sempre procure o médico para que ele possa analisar sua condição de saúde e o desenvolvimento do bebê. 

Por fim, nos diga o que achou deste conteúdo e se restou alguma dúvida. Também compartilhe o material com outras futuras mamães. 

Já conhece a nossa loja? É a Kid’s Brasil, o maior site de roupas importadas para bebês e crianças. Acesse: www.kidsbrasil.com.br  e confira nossos lindos modelos.

1 Gostei
0 Não gostei

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *