Entenda o que é a incompatibilidade sanguínea na gravidez

Incompatibilidade sanguínea na gravidez

A incompatibilidade sanguínea na gravidez pode acarretar em problemas sérios de saúde

Poucas futuras mamães têm conhecimento de um problema grave que pode ocorrer: a incompatibilidade sanguínea na gravidez. Trata-se da situação quando a mãe possui fator Rh negativo (uma forma de identificar o tipo de sangue) e o pai positivo.

Com isso, há a chance do bebê gerado ser Rh positivo. Caso isso aconteça, o risco está no fato do organismo da grávida perceber o feto como um “corpo estranho” e rejeitá-lo. Contudo, isso é incomum acontecer na primeira gestação, pois há apenas 3% de probabilidade do sangue materno entrar em contato com o do bebê. 

Entretanto, na hora do parto, esse número aumenta para 75%. A partir disso, o corpo da mãe começa a produzir anticorpos com o Rh diferente. 

O perigo da incompatibilidade sanguínea na gravidez

Por esse pouca chance de contato durante a gestação, os riscos não estão na primeira gravidez e, sim, na segunda. Isto é, depois que o organismo materno começa a gerar os anticorpos.

Assim, se na gravidez seguinte o bebê também for Rh positivo, as células de defesa do corpo da mulher irão atacar o feto e destruir suas hemácias. Isso poderá causar uma anemia profunda, aumento do líquido amniótico e até aborto.

Quando o segundo bebê nasce

Caso o bebê da segunda gestação nasça, ele ainda assim poderá enfrentar problemas de saúde, como a doença chamada “eritroblastose fetal”.  Além da anemia, seus sintomas incluem icterícia grave, aumento do volume do fígado e baço, deficiência mental, surdez e paralisia cerebral.

Banner BlogPowered by Rock Convert

Uma forma de tratamento desse quadro é a transfusão de sangue. 

Imunoglobina anti-RH para incompatibilidade sanguínea na gravidez
A Imunoglobina anti-RH é aplicada após o parto para evitar futuros problemas

Existe tratamento?

A boa notícia é que existe tratamento para evitar todas essas consequências da incompatibilidade sanguínea na gravidez. 

O primeiro passo é, logo no início do pré-natal, mãe e pai devem realizar o exame de tipagem sanguínea para cada um saber seus fatores Rh. Ao ser identificado o problema, já fica o alerta para que nas 72 horas depois do parto a mulher tome uma dose imunoglobulina anti-Rh. 

Nas situações em que a mulher engravida pela segunda vez, o médico pode recomendar outra dose do medicamento na 28ª semana de gestação, como uma forma de segurança extra.

Incompatibilidade ABO

Além da incompatibilidade por fator Rh, também existe o chamado “ABO”. Por exemplo, quando o sangue da mãe é A e o do pai é O, independente de serem positivos ou negativos.

Porém, essa situação é menos grave. O bebê costuma ter uma icterícia leve que pode ser tratada com fototerapia. 

Portanto, sempre converse com seu médico sobre esse assunto, caso você saiba ou não o seu tipo de sangue. 

Já conhece a nossa loja? É a Kid’s Brasil, o maior site de roupas importadas para bebês e crianças. Acesse: www.kidsbrasil.com.br  e confira nossos lindos modelos.

5 Gostei
0 Não gostei

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *